O líder precisa perdoar. Precisa aceitar as limitações dos outros, deixando de lado o ressentimento, mantendo o foco no objetivo maior que é o de servir, para alcançar os objetivos do seu time.

“Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”.

Perdoar é um processo espiritual que consiste em acabar com o sentimento de ressentimento contra outra pessoa ou contra si mesmo, passando por cima de seu próprio orgulho. Esse sentimento tem origem a partir de uma ofensa ou por erros, tais como traição, esquecimentos etc.

Seguem algumas dicas sobre o perdão:

  • Não escolhemos a quem perdoar: é comum escolhermos o que vamos perdoar, criando, assim, uma escala de perdão. Será que estamos perdoando ou apenas desculpando pequenas ofensas? Perdoar é uma postura, uma forma de viver.
  • Perdão não é um sentimento: o perdão não deve ser fruto da emoção, e sim da razão. Precisa ser uma postura originada na espiritualidade, na crença de que é assim que demonstramos o verdadeiro amor ao próximo. Se agirmos pelos sentimentos, agiremos com ressentimento, raiva, mágoa e desejo de vingança.

 “Então Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: Senhor, quantas vezes deverei perdoar a meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes? Jesus respondeu: Eu lhe digo: não até sete, mas até setenta vezes sete” (Mateus 18:21,22).

  • Perdoar não é esquecer: se dependermos de esquecer para perdoar, jamais perdoaremos, porque nosso cérebro tem facilidade para memorizar as experiências indesejáveis, para que elas não se repitam. Portanto, perdoar é conseguir agir sem ressentimentos, apesar de continuarmos lembrando o que o outro fez “contra” nós.
  • O perdão é bom para quem é perdoado: quem sente que é perdoado tem uma grande oportunidade de aprendizado, de pensar no outro, e, quem sabe, até de reconhecer o valor do perdão.
  • O perdão é bom para o time todo: quando o time percebe que o líder perdoa, ele percebe também que pode errar e age de forma a correr mais riscos e, portanto, de forma mais criativa e inovadora. O time também fica mais seguro ao perceber que a liderança demonstra se preocupar com o outro.
  • O perdão é bom para quem perdoa: sentimentos tais como ressentimento, raiva, mágoa e desejo de vingança fazem mal e são fontes de mais problemas e também de doenças que são somatizadas.

Somente a própria pessoa que está com esses sentimentos pode se livrar deles e a única forma de ficar livre deles é por meio do perdão.  Portanto, perdoar é imprescindível na nossa vida pessoal e profissional. Somente perdoando, estaremos em paz, livres de pensamentos que nos prendem em amarras, tais como a angústia e a depressão, doenças tão comuns nos dias de hoje.

Líderes servidores estão alicerçados em princípios e movem-se por valores.