Princípios e valores formam o caráter de uma pessoa ou de uma organização.

(…) caráter é o que você é no escuro, quando não há ninguém olhando” (Dwigth Moody).

Ter caráter é escolher fazer o que é certo, diante de pressões e/ou tendências ao contrário. Nossa dificuldade não está em diferenciar o certo e o errado, mas em nos mantermos firmes na escolha de fazer sempre apenas o que é correto.

Nosso senso de correto compete com outras ânsias, tais como a insegurança, o medo, o egoísmo e a baixa autoestima. A diferença entre essas sensações e a escolha de fazer o certo é o caráter.

Quando nos permitimos negociar nossos princípios e valores, é porque cedemos a esses estímulos que competem com a verdade, competem com o amor ao próximo.

É preciso escolher pela verdade e pelo amor.

Não podemos nos esquecer de que somos seres que nos constituímos por meio de nossos hábitos.

Durante esta semana, convido você a exercitar e fazer escolhas que, apesar dos impulsos negativos que parecem nos defender (eu disse apenas parecem) nos permitam escolher o que é melhor para o próximo.