“É melhor amar com severidade do que enganar com suavidade.” Santo Agostinho

Líderes servidores são exigentes até ao amar.

“…quando é hora de serem rigorosos, de darem palmada, eles também são os primeiros. E dar palmadas significa fazer com que as pessoas se responsabilizem pelos resultados do trabalho, incentivá-las a chegarem à excelência, supervisioná-las de perto, proporcionar formas de aprimoramento contínuo, cobrar, não aceitar mediocridade.” Hunter

Quantos de nós deixamos de cobrar a responsabilidade das pessoas, evitamos um feedback assertivo, ou pior, não dizemos a verdade, somente para evitar um conflito.

Quando estamos evitando conflitos, estamos nos afastando da liderança servidora.

Ou não estamos certos da qualidade do nosso acompanhamento (é preciso conhecer para servir) ou estamos fazendo uma opção pelo pessoal (não querer ficar mal com alguém) em detrimento do papel do líder.

Portanto, é PRECISO:

Deixar claro qual a expectativa do desempenho para cada cargo e função.

– Compreender que avaliar não é julgar, e sim mensurar o quanto o desempenho de uma pessoa se afasta da expectativa da organização.

– Corrigir erros de maneira amável.

– Enxergar os erros como oportunidade de ajudar, ou seja, um momento de servir.

– Dar treinamentos adequados.

– Certificar-se de que tudo foi feito para ajudar.

Líderes servidores vão muito além do clichê da liderança descrita na literatura de “motivação e sucesso” que encontramos por aí, e que é considerada, por muitos, o verdadeiro caminho para uma vida e uma carreira bem-sucedidas.

Além de ressaltar o autoconhecimento, a resiliência, a autogestão, a capacidade de planejamento, a orientação para resultados, a capacidade de influenciar pessoas, entre outras características, a preparação para o sucesso está baseada na construção da autoimagem e nas técnicas de persuasão.

A preparação para servir requer um trabalho com ênfase em  características, tais como a humildade, a integridade, a coragem, a fidelidade, a compaixão, a paciência, a simplicidade, a justiça e, acima de tudo, amar ao próximo.

Em síntese, líderes preparados para o sucesso baseiam sua preparação em técnicas, fundamentos e habilidades que, apesar de serem importantes, são secundárias. Já os líderes preparados para servir baseiam sua preparação em princípios, ou seja, no alicerce, e não nas paredes ou nos acabamentos.

Escolas de empreendedorismo, estratégia, competitividade etc. surgiram após a 1ª Guerra e deram origem a grandes inovações, grandes empresas e a grandes líderes, mas também a um capitalismo selvagem. Precisamos agora de escolas que originem também grandes inovações, grandes empresas e grandes líderes, mas também um capitalismo consciente, em que a lógica da competição seja substituída pela lógica da coopetição.

Somente líderes servidores são capazes de influenciar pessoas a serem excelentes coopetidores.

“Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade, cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um somente para o que é seu, mas cada qual também para o que é dos outros.” Filipenses 2:3,4