Liderança servidora pode ser resumida como o esforço de um líder para pensar não somente nos negócios, mas também nas pessoas.

LACERDA (2005) relata que o maior propósito dessa liderança é ajudar a sua equipe a se desenvolver, é estar mais preocupado em servir os seus liderados, do que apenas dar ordens. É aquele líder que percebe que o seu sucesso depende diretamente de sua equipe. Pensando e agindo assim, recebe mais retornos que os outros tipos de liderança. Trata-se de um líder espiritualizado, que ajuda em vez de ser servido e acima de tudo é ético.

Mas como colocar isso em prática?

Durante esta semana, peço a vocês que observem, reflitam e experimentem:

“O amor tem que ser posto em prática, e essa prática é servir.” Madre Tereza de Calcutá

O amor é prática, é  ação. Amar é dar o melhor de si pelos outros, identificando e atendendo a suas necessidades legítimas e visando ao bem deles.

Amar significa ajudar ao outro a se tornar alguém melhor, sendo esta a base da liderança servidora.

Quando pensamos em liderança servidora, é provável que alguns ou que muitos de nós estejamos preocupados em como equilibrar servidão e autoridade. Para tal, é preciso estarmos conscientes de que quando servimos ao outro colhemos influência e autoridade. Não existe liderança sem a capacidade de influenciar pessoas, ninguém se deixa influenciar por alguém que não tenha autoridade. Autoridade se conquista através do exemplo e o exemplo passa pela coerência.

Sejamos exemplo de compromisso com o melhor ensino e a melhor formação e, também, exemplo de fé, pois é preciso ter fé para caminhar.

“Como o poder corrompe, a demanda da sociedade por autoridade moral e caráter aumenta à medida que aumenta a importância da posição.”

Quando usamos de nossa posição (hierarquia) ou da nossa força (ameaça, chantagem, controle, etc.) para conseguir que as pessoas façam as coisas, estamos usando o poder. Quando conseguimos que as pessoas façam as coisas pelo nosso exemplo, pela nossa influência, pelo nosso caráter ou por compactuarem com o nosso propósito, estamos usando a autoridade.

Enquanto o poder destrói os relacionamentos, a autoridade os constrói.

O líder que atua por meio do poder exige ser servido, ao contrário do líder que age pela autoridade que é orientado a servir. Ao servir, gera nos seus liderados confiança, o que mantém os relacionamentos.

“Tanto na vida pessoal, quanto na profissional, o sucesso, em última instância, está nas relações. Se as relações são saudáveis, a família é saudável. Relações saudáveis geram trabalhos saudáveis.”

Nunca pense assim:

– Sou um líder que não uso o poder.

Pense assim:

– Quantas vezes eu tenho usado o poder para conseguir que as pessoas façam o que é preciso?

– Quando estou precisando de usar o poder?

– Por que estou precisando de usar o poder?

– Quando reconhecemos e assumimos nossas dificuldades e fragilidades, começamos a aprender.